Direito à Vida II

"As violações da Vida, sobretudo da Vida Humana, são intoleráveis e não devem ser ilibadas ou menosprezadas, muito menos liberalizadas, porque são a manifestação mais grave do egoísmo e do ímpeto destruidor do Homem, da sua falta de respeito pela liberdade do Outro."
Carlos Pinto de Abreu
Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados

Comentários:
Ena pá! Mais uma vez!

Depois de ler este texto, fica-se com a sensação de que está tudo explicado!

Pronto, vamos todos votar NÃO! E, os defensores do NÃO ao aborto (e SIM à vida), podem seguir em frente, com novos projectos como:

- O blogue do NÃO à guerra;
- O blogue do NÃO à tortura;
- O blogue do NÃO ao envio de tropas portuguesas para zonas em conflito;

(ou a vida de um feto de 10 semanas, ainda sem consciência de si é mais importante que a vida de seres já nascidos?).

Se alguém responder, não vale dizer apenas que é igualmente importante (já que umas causas têm direito a blogue e outras não).

Dizer que só esta questão está em referendo, também é pouco, dada a importância incontornável e inatacável da vida humana.

Dizer-me que estou a ser lírica e demasiado ingénua, na minha vontade de acabar com a guerra no mundo... E que o melhor (mais realista e mais prático) é defender a Convenção de Genebra, também não sei se será uma boa aposta...
 
A população portuguesa está envelhecida precisa de mais nascimentos, e, portanto... nada de abortos!
Estou com os ecologistas e com os verdes, em defesa da Natureza, isto é, deixar as ervas crescer, os animeis selvagens e os outros fazer as suas vidas e, portanto, o feto humano desenvolver-se de acordo com a Natureza. Isto é, Tal como eles estou contra o aborto, por ser anti-ecológico, anti-Natureza. Não estou só, pois não?
Ainda bem.
Viva a Natureza!!!
 
A 2.ª nem precisa de ser referendada para ser inaceitável, enquanto tratamento desumano intolerável, já condenado (como a escravatura, o tráfico de pessoas e de órgãos, etc.) por convenções, tratados e pela consciência social internacional.
1.ª e a 3.ª ocorrem, em tese, justamente para defesa da vida, libertando pessoas e povos e tentando salvar muitas mais vidas pela acção de homens e mulheres que entregam a sua própria vida em nome de valores superiores.
Quais são as dúvidas?
 
Alice,
Ena pá! Já percebi tudo. Quem defende tudo o que disseste (faltaram as crias das corujas e os touros de morte) não pode deixar de votar NÃO no referendo. É justo. É coerente! Ainda bem que não se há-de criar uma injustiça pela falta do teu voto. Quando te lançares nesses outros blogs, conta comigo. Também nessas matérias, contigo, direi NÃO.
 
Dúvidas (Núncio), quais dúvidas! Agora já não tenho nenhumas (relativamente a esta questão, evidentemente). As vossas respostas à pergunta implícita no meu comentário foram suficientes para que eu tirasse as minhas conclusões.

Obrigada.
 





blogue do não