COISAS, DISSE ELA

Lídia Jorge parece que chamou ontem "coisa humana" ao embrião. Foi num programa que não tive oportunidade de ver. Socorro-me do João. Outra pessoa que devia falar mais vezes em defesa do Sim, porque dá certamente votos ao Não. Nesta fase do campeonato, em que os argumentos já estão a ser repetidos até à exaustão, em que a comunicação social, de uma maneira geral não esconde que defende o Sim sem ter a coragem editorial de o assumir, como exemplarmente fez a Rádio Renascença em relação ao não (sim, são uns cobardolas ...) , já só me consegue chocar a frieza insensível de certos humanos para com a sua espécie.

(publicado no Tomar Partido)

Comentários:
É curioso o vosso ponto de visão constante: uma mulher livre, mentalmente bem, com condições económicas (tal como a maioria dos defensores do não). Porque na vossa visão do país não exietm mulheres sós, sem condições morais, económicas, que possam fazer um aborto mais por amor à vida que dali poderia vir, o que por amor a si.
Ou será melhor para uma criança viver toda a sua vida em ambientes degradados, ou orfanatos?! Pois, já me esquecia, ajuda-vos a sentir que são boas pessoas cada vez que deitam uma esmolinha da ponta dos dedos...
 
Ou será melhor para uma criança viver toda a sua vida em ambientes degradados, ou orfanatos?!

"Nós", de facto, somos os maiores canalhas que exitem à face da terra. Promotores do sofrimento de coitadas criancinhas... matemo-las então!

O que é engraçado é que os serem humanos, que tanto direito têm de decidir sobre o direito à vida de outros, quanto à sua, ficam condenados ao sítio onde nasceram... quem cresce num orfanato, "coitadinho", terá de viver de esmolas o resto da vida (mas poderá abortar sempre que lhe aprouver...).

Tita, parece-me uma argumentação fraquinha fraquinha...
 
Também é uma observação que tenho vindo a fazer, os defensores do não são todos uns senhores ou senhoras de papel que gostam de meter a colher na vida alheia e quantos mais desgraçados houver a sofrer nas ruas mais eles se sentem superiores. Queria ver esses movimentos todos encabeçados pela hiperrica igreja a dizer NÃO ao aborto, não matem as criancinhas que nós tomamos conta delas, providenciaremos para que nada lhes falte, nem que para isso os nossos bispos tenham de viver um pouco mais austeramente e sem tantos luxos... hipócritas. Se não fossem os abortos clandestinos, tantos e tantos meninos que hoje iriam ver o pai aos domingos dizer missa...
 
Apeteceu-me falar dela assim...
 
à Tita e outras "Titas" tenho pena que só conheçam os piores exemplos, ao que dizem.
Caso não saiba, existe muito boa gente que nasceu sem nenhumas condições e se tornaram grandes homens e grandes mulheres!
 
A Lídia Jorge não tomou chá nesses dia.A sua vertente de peixeira veio ao de cima!!
 





blogue do não