Luta de classes

Uma das razões para o génio do maradona é aquela atitude, ao mesmo tempo auto-depreciativa e auto-celebratória, do direitista em terra de gente canhota, operária, explorada e ressentida. O maradona acha-se o único reaccionário suburbano e que toda a restante gente de direita vive confinada ao enclave da Quinta da Marinha, olimpicamente alheia às desgraças das pessoas comuns. Daí que a sua posição sobre o aborto traduza, numa parte substancial, o tique marxista da luta entre classes. As pobres abortam num qualquer "T2" insalubre da Trafaria e as ricas, as "senhoras doutoras", vão aos magníficos hotéis de Madrid e Badajoz.

Ora, eu, que tenho o maradona como um dos meus bloggers favoritos e não passo de um médio-burguês da Beira Alta, não me emociono com a ladaínha. Não é para a luta de classes que serve a lei e, segundo percebo, a teoria resume-se assim: já que não conseguiremos acabar com os impostos, já que os pobres não conseguem deixar de os pagar e os ricos - esses malandros - utilizam os offshores lá de longe para se furtarem ao seu pagamento, mais vale descriminalizar a fraude fiscal.

É mais ou menos isto, não é?

Comentários:
não.
 
"Magnificos hotéis de Badajoz", ora aí está um belo conceito. A explorar.
Abraço
 
Faz todo o sentido pôr tudo no mesmo saco, não faz?
 
Escreve-se ladainha e não "ladaínha".

PS: desconhecia que existiam médio-burgueses para os lados de Viseu. Eu cá pensava que isso era só carroceiros e campónis com bigode.
 
Defendo a despenalização do aborto nos dois planos. Não considero que exista uma pessoa humana num embrião com 10 semanas, apesar de bater o coração, ter pequeninas mãos, e todas essas características que tanto comovem os defensores do não. Em relação à questão social, como é óbvio, não tendo uma posição ética contra o aborto, justifica-se a meu ver plenamente a sua despenalização.

Já agora, para aferir da coerência das pessoas que defendem intransigentemente a existência de uma pessoa humana num feto com 10 semanas, gostava de saber se no caso de má formação do feto sem risco para a vida da mãe, que justificação no plano ético encontram para que possam pôr fim à vida dessa suposta pessoa humana. E concordam com a actual lei que já permite o aborto nessas situações? E também gostava de saber se o Francisco Mendes da Silva se bateria para que alguém da sua família não abortasse no caso da má formação do feto não colocar em risco a vida da mãe. É que se nem as questões práticas sociais evidente e relevantes, as quais certamente reconhece, não justificam que possa transigir no plano ético, não me vai dizer que no caso de má formação do feto já há motivos para o fazer, pois não?
 
olá,

eu já tinha reparado que vocês aqui têm uma grande capacidade de ilustrar a vossa opinião do aborto, com uma comparação completamente disparatada.

pior q esta só (talvez) a do médico que falava em aborto e eugenia.

claro que os "tiques" e os "maniqueísmos" (de preferência "marxistas") são os outros que os têm.

andre
 
Olha o nível dos abortístas.... que desgraça!!! É por causa destas teorias estupidas e sem fundamento que o sim ao aborto vai perder! Fala o último de má formação do feto... Oh senhor passeie um pouco na internet e ela lhe fornecerá um monte de histórias com esse tema. Leia e vai ver que gosta. O seu problema é estar muito concentrado na luta de classes e pouco concentrado na defesa do feto, e estar-se perfeitamente nas tintas para o problema que estamos a discutir. VIVA A VIDA!!!!
 





blogue do não