Das palavras e de quem as profere

Ocupado com as festas de Natal, reconheço que chego tarde, mas a tempo de me espantar com a baixeza destes escritos e comentários. Mesmo que estas práticas abonem a favor do NÃO. A minha imaginação jamais chegaria até onde podem baixar os argumentos e a retórica utilizada, seja por que causa for. Por parte do Luís M. Jorge, autor que verte regularmente na blogosfera as secreções próprias de uma neurótica e aguda bipolaridade, nem será tão grave. Tal é justificado por uma complacente inimputabilidade psiquiátrica. Já da parte da jornalista Fernanda Câncio, que ocupa um lugar de responsabilidade num jornal diário de referência nacional, seria de exigir algum pudor e parcimónia no seu destilar de ódios e preconceitos irracionais. As suas histéricas e negras pulsões, mesmo que exteriorizadas no anárquico e por vezes libertino campo da blogosfera, são exemplos de profunda imaturidade democrática e de irresponsável cidadania.
Por este caminho, com a despudorada incontinência emocional destes entusiastas da causa do aborto livre, mantenho a esperança de uma vitória do bom senso e da razão no referendo; ou seja a vitória do NÃO.

Comentários:
Já sei que o meu amigo é único sábio e mentalmente são deste País.

Da sua lavra só saem verdades incontestáveis, como uma elegância de forma nada comparável à dos textos por si comentados.

Mas claro, esses textos foram escritos, por gente em nada comparavel consigo, mas que enfim tem direito a VIVER.

Já agora, se me permite, podia acrescentar às sua imensas qualidades a Humildade?
 
Mas essa Câncio não é jornalista? Então usem-se meios proporcionados. Não é preciso desfolhar (calma rapariga, vou falar de elucidários) cartapácios à cata de presumidas contumélias. Basta dizer o que a senhorita é: jornalista. Id est, como já aqui alguém alvitrou, uma alimária condenada a permanecer em estado basiliscal.
 
Esse luis qualquer coisa quer é atenção mas é um infeliz ...
 
Neurótica e aguda bipolaridade? Que português deficiente... complacente inimputabilidade... ainda estamos no segundo ano do ciclo?...
Mas quem é este indivíduo? e o NÃO ali pelo meio ... que mau.
George Kaplan
 
j
 
Achei graça, porém, a um post da FC em que ela fala de amor. Particularmente achei graça ao último parágrafo, que podia perfeitamente aplicar-se ao que uma mulher e um homem sentem quando sabem que vão ter um filho. Transcrevo:
"não se sabe, nunca se saberá. só que, de súbito, se sabe outra coisa: que mudou tudo, que o mundo passou a ser um lugar outra vez habitado pelo fulgor. que há outra vez alguém que nos salva pela vontade que descobrimos de salvar. outra vez."
 
João,

Estevi a ler todos os post e comentários, sinceramente a única resposta a dar a esses senhores é recomendar-lhe vivamente a todos que vejam o filme da National Geografic que se chama: "No principio somos assim" que por acaso passou no dia 26 de Dezembro, salvo erro, na TV2.
A venda deste filme esta disponivel na internet e tenho a certeza que dissipará todas e quaisquer dúvidas sobre a evolução dos embriões, fetos, que eles possam ter.
É que realmente a ignorancia e a desinformação é tanta que valha-nos Nossa Senhora!!!

Continuem o vosso trabalho.
Margarida
 





blogue do não