ARGUMENTOS DECISIVOS A FAVOR DO SIM

Aqui. No sítio da rititi.
P.S. Não se aconselha a leitura a espíritos mais sensíveis.

Comentários:
Ai estou tão farta destas rititis e não te prives e assim...
 
AMEN A ESSE BLOG.
Vamos voltar ao debate com serenidade!
Parece-me que do lado do sim "colocaram a cassete" e nao há debate possivel... mas nos permanecemos serenos...
 
Também nós vos fazemos companhia.
Visitem-nos em "A Minha Vida é um Dom"
 
Só faltava o PREC do aborto feminista fora de prazo.

Tem uma outra parceira na Lida Insana. Essa é mais a dar para a poesia das amígdalas excedentárias. Esta deve julgar-se a arrancar os "c*****s"
 
Mas é mais uma que acha que a sua escolha de ser ou não ser mãe é depois de ter engravidado.

E aposto que é também capaz de defender com a maior naturalidade o uso de contraceptivos e do "acto sexual com responsabilidade".

Experimentem pedir-lhe para traduzir essa palavra "responsabilidade" que tenho a certeza que não sabe. Decorou. Como decorou o resto dos chavões do ateísmo militante e mais das "opções"

Verbos de encher, enfim... o problema já nem é conflito sexual. Esse existiu noutros tempos. Ia jurar que é mais a dar para o que aquece a cabeça em vez de descer para o local certo...
 
Agora que escreve bem, lá isso escreve. E no meio da verborreia pesporrenta, diz uma ou duas verdades. Nós do Não faríamos bem em não dar pretextos à Rititi e sus muchachas, ganhemos ou não dia 11.

Bem postado, Rui. É engraçado, acusarem-te de censurares os comentários...
 
Escrever bem, caro Jorge? Ela é a mais séria candidata ao prémio "Não consigo desmontar os argumentos do não, sou completamente mal educada, mas não me apetece ficar de fora, por isso vou dizer meia dúzia de asneiras e fingir que sou muito inteligente".
Uma mulher que usa aquele linguajar e que lança mão da ofensa gratuita para se dirigir a quem tem posição diferente da dela envergonha qualquer mulher.
Enfim... tristezas! Vamos ao trabalho!
 
Rui,
Obrigada pelo link.
Jorge,
Obrigada pelo elogio.
Zazie e Mafaldinha: o meu mail é rititi@gmail.com. Qualquer reclamação à minha pessoa, escrita, carácter ou inteligência façam o favor de se dirigir a mim. Directamente. Ah, não sabem? Bem me parecia. A cobardia da caixa de comentários é assombrosa.
Grande abraços.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Rititi,

mas quer que eu lhe escreva para quê?
Apesar de me tratar por Mafaldinha, não a conheço de lado nenhum e não tenho por hábito escrever emails a quem não é meu amigo ou a quem não tenho nada a dizer.
E não tenho qualquer reclamação. Fez um óptimo trabalho com o seu post. É revelador da pessoa que é... e do baixo nível a que pode chegar uma suposta defesa do sim. Contra factos não há argumentos. Continue...
P.S. Já sei que vai achar que eu sou uma tia, snob etc e tal... Pode poupar-se aos elogios. Vindas de alguém que em cada cinco palavras diz quatro asneiras capazes de fazer corar um carroceiro, tal soa bem... Fazem-me sentir que, de facto, sou educada.
 
Menina, vá crecer. Depois, talve, mereça dirigir-me a palavra.
E acabou a conversa. Pode continuar a falar sozinha. Coitada.
(palavrões? ainda estamos aí? credo)
 
Ui que a dita Rititi tem mau feitio. Não se amofine, que não faço questão de lhe dirigir a palavra. Só lhe respondi porque me interpelou directamente.
Só um conselho: experimente o chá. Pode ser que o nível do seu blogue aumente.
Cumprimentos
 
Caros amigos:
Por favor, não respondam a provocações. O link e o post a que se refere são auto-evidentes (e devem, obviamente, ser denunciados)... tudo o que se diga para além disso apenas nos colocará ao nível dessa senhora.
Cumprimentos
 
Como se a Rititi precisasse de saber quem eu era.

Bastava perguntar ao marido, ao "alter-lego" do Pastilhas para não vir agora para aqui armar-se em parvinha.
Até fomos vizinhos.

Além do mais, eu não fiz qualquer referência pessoal. Apenas ao pensamento feminista-fora-de-prazo que está por trás.

Apenas a esse. Muitos dos gozos são certeiros. Eu própria já os fiz, de outro modo, mas fiz, no Cocanha.

Quanto ao que escreveu e até à "lata" com que o fez não me pronunciei.

Por um outro motivo mais simples: achei que foi mais livre e não cuidou de agradar às Revistas e grupos sociais que até a promoveram.

Nesse aspecto sim, teve coragem.
 
Correcção: fomos vizinhos mas nunca nos conhecemos pessoalmente. Nem o alter lego e muito menos a Rititi.

Só me lembro de ter aparecido no Pastilhas a defender uma historieta das touradas. Não fazia parte.
Quem escrevi muito bem era o alter-lego. Esse sim. E com ele é que troquei muitas ideias durante algum tempo- (que ainda foram anos)

Mas escusava de vir para aqui a falar em cobardias de caixas de comentários. Não imagino em que haja mais coragem por se dizer algo idêntico, às escondidas de toda a gente e por mail...

Mas enfim, há muita coisa que não sei e também não me vou apoquentar por isso..
 
O único problema da Rititi é que se sabe que não tem fair play nem sentido de humor à altura das provocações que lança, então é melhor não ir por aí.

Não faz é sentido melindrar-se e chamar cobardia a quem comenta as provocações.

Se queria resposta privada não as fazia publicamente.
 
Mafalda,

Gosto muito do que escreve, e confesso que a leio muitas vezes para aprender e vir buscar argumentos.
Por isso tenho pena que por vezes perca tempo a discutir pessoas em vez de ideias.
O que é que interessa a Rititi e o modo como ela escreve? Deixe-a falar, que ela só se prejudica a si mesma... e ao sim!
Compreendo que é difícil aguentar tanto disparate pegado, mas não é com mau feitio que o desmascaramos.
Cumprimentos
 
Caro anónima ou anónimo da 1:12,

obrigada pelas suas palavras.
Compreendo o que diz. Entenda (decorre do que escreveu que o entende), apenas, que ao fim de algum tempo a ouvir disparates a paciência começa a esgotar-se, de facto.
Tenho pena, aliás, que nunca os defensores do sim tenham conseguido responder às diversas perguntas que eu vou semeando por aqui. Falam, falam, falam, mas não dizem nada. E explicar pontos controversos que é bom... são incapazes de o fazer.
Volte sempre
 





blogue do não