Dia 11 vota NÃO

Votar Não é dizer "sim" à lei actual - aquela que melhor pondera os valores em causa.

Comentários:
Finalmente alguém que diz algo com senso! Apoiado!

Não é "Assim Não", é simplesmente Não!!
Porque a lei existe para punir actos socialmente não aceites, e até quem está pelo "sim" diz que o aborto "não é bom"... há dúvidas de que a Justiça existe por algum motivo? (se é que ainda se conhece o seu significado)

As primeiras pessoas a serem perseguidas não são as mulheres que optam por abortar, mas as pessoas que fazem negócio clandestinamente, por isso não se façam de vitimas!!
Eu não condeno ninguém ao dizer Não, quem comete esses actos é que se está a pôr em posição de ser julgado... pela Justiça!!

Dever Cívico: Votar!
Dever Humano: Dizer Não!!

P.s.: E digo desde já que me chamo Pedro de Sousa, porque não sou hipócrita, sou Humanista!
 
http://shaoshyan.blogspot.com
 
e prendes as moças, leninha?
3 anitos chega? vê lá, pà...
 
o estado portugues podia negociar um acordo com o estado russo. seria economicamente mais viavel e sustentavel para o futuro fazer um intercambio. trocavamos portugueses pro-aborto por jovens russas casadoiras. toda a gente tinha o que queria. eu votava sim a isso.
 
Segundo a Enciclopédia Cirurgica dos EUA (obviamente adulterada pelo não, isto o não passa a vida a adulterar tudo), as principais razões para o aborto "elective" como eles pomposamente lhe chamam, são:
em itálico os meus comentários.

-A continuidade da gravidez pode causar danos emocionais ou financeiros.

Danos emocionais? Mas matar o filho não causa dano nenhum. Vivam os "danos emocionais"! É só moral.

-A mulher não está preparada para se tornar mãe.

-A gravidez é indesejada.

-A mulher foi pressionada a abortar por um dos seus parceiros, parentes ou outros.

Pois, é, e onde está algum projecto de lei que se predisponha a prevenir este tipo de situações?

-A gravidez foi resultado de violação ou incesto.

A lei actual já prevê isto no caso de violações.

Os custo do aborto variam de 200 a 400 dólares no estágio inicial. O preço aumenta à média de 100 dólares por semana entre a 13ª e a 16ª semana e daí para cima o preço sobe bastante, não especificando no entanto quanto.
Lá na terra dos cowboys pode-se matar até ao último segundo antes do bebé respirar.
Infelizmente para as abortantes, a Segurança Social e os seguros de saúde não pagam aborto a pedido, no entanto e mesmo assim são feitos em média 1,3 a 1,4 milhões de abortos/ano nos EUA.
48% da abortadeiras eram repetentes. Isto significa que ou é bom ou não aprenderam à primeira.

No ano 2000 estima-se que 21 a cada 1000 mulheres fizeram um aborto (para os mais desatentos não é 21/1000 grávidas, mas 21/1000 mulheres - grávidas ou não).

Os Estados onde esta taxa foi maior foram New Jersey, New York, California, Delaware, Florida e Nevada com a taxa a rondar os 30/1000 (mais uma vez mulheres, não somente grávidas).

As que mais abortam são as negras com uma taxa de 49/1000, seguem-se as sul americanas e asiáticas 33 e 31/1000 respectivamente e a taxa mais baixa entre as brancas de 13/1000.
Natalidade selectiva?

Até às 10 semanas o método utilizado é o D&C, significa Dilatation and Curettage, para os mais desatentos isto significa dilatar e curetar (que é um lindo eufemismo para abrir e raspar). Após usa-se mais o método D&E Dilatation and Evacuation, dilatação e evacuação, na prática abre-se, mete-se uma tesoura lá dentro e vai-se cortando às postas.
A diferença no resultado final do aborto é que no D&C sai em papa e no D&E sai em bocadinhos.
Outros métodos incluem o aborto salino, injectando um composto altamente salinizado no saco amoniótico, o que resulta num lindo nado-morto no churrasco, já que a base lhe vai queimar a pele.
Há ainda outros métodos de aborto químico com efeitos idênticos.

O mais revoltante da lei americana são os 5 passos do aborto por parto parcial, isto é aborto acima das 32 semanas:

1 - Guiado por ultrasons o abortista apanha uma perna do bebé com uma pinça.

2 - A perna do bebé é puxada para fora.

3 - O abortista retira todo o corpo do bebé à excepção da cabeça.

4 - O abortista coloca uma tesoura à volta da cabeça do bebé.

5 - A tesoura é removida, colocada uma ventosa na cabeça do bebé e o seu cérebro sugado. O bebé morto é retirado e deitado fora.

Isto são tudo FACTOS. Quem quiser que pesquise pela internet que vai encontrar informação, quem quiser preferir acreditar nas arruadas do Bloco, que vote sim, possivelmente o cérebro já lhe saiu por sucção só que não morreu...
 
...e "dizer sim à lei actual", lei essa que não funciona há anos, é passar um atestado de estupidez a Portugal.
 
? Então porque se vota NÃO para depois do referendo virem com planos de despenalização? Qual a lógica?
 
Assim nim,

A lógica é a seguinte, pegas num cheque, assinas e dás ao Sócrates. Depois ele preenche o resto como quiser.

Queres melhor?
 
Acho que isto é importante... Pacheco Pereira (defensor do sim) afirmou que também estará em jogo a liberalização dia 11. Estranho. Caso único ou quase entre adeptos do sim. Foi pena ter sido na "Quadratura do círculo" e não, por exemplo, nos "prós e contras".
 
Há uma questão pertinente, que muitos se esquecem. Depois do sim vamos ter a cadeias cheias de mulheres por crime de aborto.

É que, na habitual esperteza saloia, haverão muitas a ir com 12, 13 e até 17 semanas a dizer que têm 10. E se antes do aborto podem enganar o médico, depois dele sair não.
 
Anónimo das 12:15 AM

... E você sabe lá o que é aturar uma russa...
 
Do que a "humanidade" é capaz pelo "direito" ao aborto:

Tecnica abortiva D&X

(Ilustrações a traço, não contém fotos... mas mesmo assim...).
 
para o anónimo q descreveu as técnicas de aborto:

no 1º trimestre a técnica mais utilizada é a S&A (sucção e aspiração) desde que não seja necessário dilatar o colo. (75% casos)

a técnica D&X (nescimenteo parcial!) descrita para o 3º trimestre é bábara. No entanto era proibida em mts estados e raramente era utilizada (<1%). Recentemente foi banida plo congresso.
 
Ensina-se tanta coisa útil ao veículo externo do ser humano. Existem toneladas de informação, mas no nível em que a humanidade está pecamos muitas vezes por não saber comunicar.

Quando é que vamos conseguir ser mais simples e sérios no propósito de comunicar e fazer passar a mensagem que dignifica a vida?

Quando mudarmos de rumo a níveis mais profundos e subtis, sem no entanto abdicar deste plano físico, começaremos a vislumbrar o impulso de energia, o sopro da vida que dá forma à matéria.

Enquanto seres de superfície, estaremos limitados a um mundinho que é somente a ponta do iceberg.

Neste mundo onde muitos querem ter razão e apresentam discursos que por vezes insultam a nossa capacidade de conhecer a nossa origem, regressa-se à futilidade de mentes vagabundas.

A verdade talvez esteja em níveis muito mais profundos e subtis em cada um de nós, e a vida talvez encontre outro significado que a ciência só agora começa a vislumbrar em universos atómicos e subatómicos de energia subtil.

Quando a nossa mente e o coração se unem acontece um silêncio na nossa consciência mais profunda. E no nosso centro de luz temos uma resposta que sempre defenderá o que nos deu a vida...

Podemos "aniquilar" o veículo físico, desprover o receptáculo de energia densificada da forma que iria abrigar um corpo mais subtil de energia, mas é impossível matar a origem que dá a vida.

Que cada um vote em consciência profunda...

OM-Lumen
 
se defendem o aborto então não lhes deve custar nada ver como são realizados em http://lobosmaus.blogspot.com
 
A lei actual não resolveu nada, nicles, zero, ponta dum chavelho, rien de rien, niente, coisa nenhuma. Por isso voto SIm e com muita convicção!
 
A melhor de definição de neurótico é: aquele que passa a vida a fazer as mesmas coisas e admira-se por não obter resultados diferentes.
Por isso voto SIM. Os neuróticos que votem não.
 
Helena, discordo. Votar não é dizer não à pergunta que é feita, que é muito específica: despenalização em todos os casos, até às 10 semanas.

Dizer não não exclui que se possa mudar as penas, ou despenalizar nalguns casos.

E estás a fazer um serviço enorme ao "sim" a defender isso...
 
Parece-me claro que dizer não é nada disso... isso já é uma conclusão bastante além.

Dizer não é dizer não à pergunta colocada. A minha cara Helena caiu, perdoe-me, na tontice do Eng. Sócrates ao achar que se pode concluir o que se quiser da resposta.

Votar não não implica aceitação da actual lei. Isso é, pura e simplesmente, uma estupidez!
 
10:02, vocês têm todos esse problema, o de projectarem as vossas limitações mentais nos outros? Ouça, vá votar "sim" e desapareça daqui porque é evidente que não acrescenta nada que valha a pena com a sua contribuição mal-educada, certamente fruto da mesma educação que lhe formou a intensão de voto.

PS: Com o "sim" irá obter resultados diferentes, mas diferentes não significará melhores. Até porque depois de ir votar a sua contribuição para a sociedade continuará a ser a mesma que até aqui: consumir & asneirar.
 
Ó 11:00, não se irrite, que fica com rugas!

A definição não fui eu que inventei. Foi um psicólogo americano, li-a a propósito de comportamentos alimentares mas aplica-se a qualquer área da vida.

Desapareço daqui? Quem é que está a ser mal-educado?? Eu não tenho culpa de que o blog esteja aberto a comentários! Fechem-nos e pronto!
Enquanto não os fecharem não é o Sr que me manda desaparecer.

Se os resultados são melhores ou não com o Sim, só se pode saber de uma maneira: dando-lhe uma chance. Eu estou convencida que sim, serão melhores, e até serei a 1ª a votar não daqui a 8 anos se assim não for.


Asneirar? Bom, a sua educação está à vista. Estamos conversados!
 
11:13, asneirar aplica-se perfeitamente a "os neuróticos que votem sim". Diga-nos lá quantos anos tem, sff.

PS: Se o "sim" ganhar, daqui a 8 anos não haverá referendo, só se o "sim" voltar a perder. Ainda não entendeu a diferença entre o "sim" e o "não"? Não lhe parece um sinal esta discussão não poder acontecer em nenhum blog do "sim"?! O cerne da questão é precisamente estarem sempre a dizerem isso: "eu não tenho culpa de nada". Isso é evidente para o "não" há muito tempo: vocês querem carta branca.
 
NÃO se deixe enganar, no dia 11 de Fevereiro o que vai estar em causa não é a despenalização do aborto até às 10 semanas, o que vamos estar a votar é na liberalização do aborto, a pedido da mulher, sem que seja preciso invocar qualquer motivo para o fazer.

NÃO se deixe enganar, a pergunta do referendo está redigida de uma maneira tal que, ao respondemos sim estamos a atribuir à mulher o direito absoluto de dispor sobre outra vida até às 10 semanas de gestação.

NÃO se deixe enganar, quando dizem que com o voto sim apenas se está a evitar que as mulheres sejam julgadas e punidas com uma pena de prisão, é muito mais do que isso, aliás não é isso, as mulheres vão simplesmente tornar-se titulares de um direito subsidiado pelo Estado.

NÃO se deixe enganar, o aborto clandestino é, sem sombra de dúvidas, uma realidade que é urgente combater, mas a liberalização de uma situação como forma de prevenção nunca foi solução!

NÃO se deixe enganar, o aborto a pedido é tornar uma conduta, que em certos casos pode ser irresponsável, num direito.

NÃO se deixe enganar, e vote Não no próximo dia 11!

in, http://www.assimnao.org/
 
Em resposta aos vários que falam das tais mulheres que abortam e que vão para a cadeia:

Para além dos vários dados que têm sido publicados sobre o números de julgamentos e condenações subsequentes – e que mostram uma realidade bastante mais modesta do que aquela em que nos querem fazer acreditar –, acrescento agora o testemunho pessoal de uma pessoa que me é próxima e que é juiz de profissão.
Em algumas dezenas de anos de exercício da sua profissão, e no meio de milhares de casos, esta pessoa julgou apenas DOIS casos de aborto.
Um deles estava relacionado com uma grávida de 6 MESES, que efectuou um aborto clandestinamente, com o apoio de duas enfermeiras que usufruíram dos seus contactos no centro de saúde ou hospital onde trabalhavam para fazer estes “arranjinhos” à parte. Do processo constavam fotografias do bebé esquartejado e detalhes da “operação”. Ao ver as ditas-cujas, nenhum dos magistrados envolvidos teve qualquer dúvida sobre a pena: as duas ENFERMEIRAS foram condenadas a três anos de prisão e DEMITIDAS da função pública. A MÃE FOI ILIBADA.
O segundo caso estava relacionado com uma rapariga jovem, que morreu na sequência de um aborto realizado por uma médica. A coisa correu mal e a sra. dra. mandou a menina para o hospital de táxi, esvaída em sangue, chegando lá já morta. A MÉDICA FOI PRESA.
Acham que são estas as situações que o vosso “Sim” vai resolver? Não se iludam...
Vou votar “Não” com toda a convicção. A “ameaça” do sr. eng. Sócrates não me comove, pois o trabalho de apoio às mães em dificuldade continuará a ser feito, independentemente do resultado do referendo. Só é pena que os tais dinheiros já prontinhos para ir para a conta da Clínica dos Arcos não possam ser canalizados para todas estas Associações...
 
Olhe que vai buscar uns exemplos!... Um aborto de 6 meses?? Tá a misturar alhos com bugalhos.

E uma menina que morreu... como queria que fosse condenada, se morreu?

Ah mas os do Não costumam dizer que não morreu ninguém! Afinal, em que ficamos?
 
"Anonymous" das 2:06 PM,

Não percebeu o ponto fulcral do meu "post"... Entre MILHARES de casos, DOIS eram relativos a situações de aborto - ou "interrupções voluntárias da gravidez”, como é politicamente correcto chamar.
As tais “milhares de mulheres” que vão presas por terem impedido os seus filhos de nascer, bandeira agitada por quase todos os “sins” do “Sim”, não existem! Estes dois casos tinham o intuito de ilustrar, apenas, uma minúscula parte da realidade.
E também nunca ouvi ninguém dizer que não há mortes relacionadas com o aborto. Elas existem, sim. Mas aquilo que nós defendemos é que as medidas têm de ser tomadas ex-ante, evitando o recurso à clandestinidade.
Mas se calhar o sr./sra. também é daqueles que acredita que a proposta de lei que irá ser aprovada caso o “Sim” vença é a panaceia de todos os males... Se calhar acredita que as pessoas que vão querer a continuar esconder a sua gravidez da família, amigos e vizinhos vão querer ser identificadas no hospital onde a vizinha do 4.º andar é enfermeira ou o concunhado faz os tratamentos...
 
Não, não acredito na panaceia, mas se a lei actual em vigor desde 1984 resulta em cerca de 20.000 abortos por ano, acho que é mais que tempo de dar uma oportunidade ao Sim.

P.S. Ninguém diz 'milhares de mulheres presas', mas sim 'milhares de mulheres perseguidas e condenadas'.

Vizinha do 4º andar... desculpe mas eu vivo num grande centro urbano (tal como a maioria da população).

E se não leu que não existem mulheres mortas por sequelas de abortamento clandestino, não leu seguramente os posts e comentários neste mesmo blog!
 
E que prevê 3 anos de prisão. É uma ponderação do caraças pá!
 
Caro/a "anonymous",

Bem, o roubo é considerado crime há já alguns séculos. Se calhar também é altura de mudar a lei...?

Agora a sério:
Acha mesmo que o seu "Sim" vai reduzir o número de abortos anuais?
E acha também que o referendo diz respeito à realidade de apenas alguns centros urbanos?
Acredita realmente que é só nos centros urbanos que ocorrem os abortos clandestinos?

Depois do referendo, aconselho-o/a a sair do seu centro urbano e a conhecer melhor o país onde vive...
 
Mas agora a lei actual já é boa? Para onde é que foi, então, a proposta de despenalização caso a maioria dos votantes seja contra a despenalização?
 
Caro gasel,

O aborto no 3º trimestre não foi proibido nos EUA, embora o D&X tenha sido prática desaconselhada, os resultados dos restantes processos para esta prática infanticida não são melhores, seja exemplo a injecção salina que literalmente destroí a pele do bebé queimando-o por completo.

D&X é provavelmente mais bárbara no calculismo e sangue de barata necessário de quem o faz, mas as restantes não são melhores. Aborto acima de 24 semanas não é aborto, é infantícidio e deve ser considerado e punido como tal (no nosso caso será pena até 25 anos). -Se ela não o quer é preferível o parto provocado e deixar uma incubadora concluir o processo, o bebé tem hoje mais de 90% de chances nesses casos.

Tudo o que for dito ou legislado em contrário deve ser considerado uma violação grave dos direitos humanos e levada a Haia.
 
Há dois Sócrates:
O grande grego que colaborou no desenvolvimento do pensamento da humanidade;
e o idiota que temos em Portugal como primeiro ministro.
Não têm nada, mesmo nada, em comum.
 
É curioso, ninguém comentou nada. Será que o Sócrates é intocável ou está toda a gente de acordo?
Bem, lá que o rapazito parece um aborto é verdade...
 





blogue do não