FIM

O BdN nasceu há quase 4 meses, no dia 22-10-2006, e termina aqui. Tinha como objectivo fazer campanha pelo Não, provocando o debate e uma discussão que se pretendia séria. Ao fim de mais de 1000 posts, centenas de mails recebidos, dezenas de debates em que participámos, milhares de comentários, mais de 80.000 visitas e uma média nesta última semana de cerca de 2.000 visitas diárias, penso que alcançámos o nosso objectivo. Perdemos, porém, o referendo, como já se vinha adivinhando por todas as sondagens que foram publicadas.
Pelo caminho publicámos um livro, a nossas expensas, revertendo os lucros das vendas para uma associação - Ajuda de Mãe - que ao longo dos últimos 16 anos se tem dedicado a ajudar mulheres grávidas em dificuldades. Muito embora pensemos que os montantes são nesta altura pouco relevantes, porque muitos foram generosos nas suas contribuições e mais ainda na compra do livro, importa referir que já angariámos mais de € 2.500 com as vendas directas do livro.
Em jeito de balanço colectivo, não podemos deixar de agradecer a todos os que contribuíram para este blogue, com textos ou com o seu apoio. A lista de colaboradores especiais é conhecida e está ali ao lado. A todos, os nossos sinceros agradecimentos.
Os nossos comentadores, pelo Sim ou pelo Não, foram incansáveis e, em certa medida, é também deles o que aqui fizemos.
Deixo também um pedido de desculpas a todos aqueles que nos foram enviando mails, muitos deles com excelentes textos para publicação, e que não obtiveram qualquer resposta nem viram os seus textos publicados. Confesso a minha incapacidade nestas últimas 3 semanas para gerir as respostas que se impunham.
A título pessoal – tendo sido o “idiota” que se lembrou de fazer este blogue –, gostaria também de dizer o seguinte.
Foi muito bom para mim partilhar esta casa com pessoas que admiro, dos blogues e não só, os quais têm todo o mérito por aquilo que conseguimos fazer. Aos autores permanentes do BdN, dirijo uma palavra de reconhecimento por terem aceite participar desta iniciativa, não sabendo à partida no que se estavam a meter.
Ao longo dos últimos meses escrevi dezenas e dezenas de posts e fiz outros tantos comentários. Cometi excessos e quanto a este particular fica o meu arrependimento. Penso, no entanto, que o balanço só pode ser positivo.
Ontem, a maioria das pessoas que votaram optaram pelo Sim à pergunta que nos era colocada. Sem querer entrar na análise política profunda dos resultados, parece-me óbvio que terá sido o Sim moderado a ganhar o referendo. Pelo menos, é o que espero. O Sim que não vê o aborto como um direito mas sim como um mal menor. Apesar de não concordar também com este Sim, a verdade é que é este que espero ver plasmado na regulamentação da lei que a AR se prepara para discutir. Uma lei que imponha não só um período de reflexão mas também um aconselhamento obrigatório a todas as grávidas que tenham a intenção de abortar (no sentido de levar a gravidez até ao fim). No fundo, uma lei que contemple aquele princípio que a grande maioria dos defensores do Sim afirmaram vezes sem conta – a de que também eles são contra o aborto. Para isso, o Estado terá de abrir os cordões à bolsa, ajudando quem mais necessita, de forma a reduzir as razões que poderão levar uma mulher a abortar.
Espero igualmente que a “montante” seja feita uma aposta séria num planeamento familiar sério e responsável. É por isto que me vou bater, já a partir de hoje, nesta minha outra casa.
A todos, mais uma vez, muito obrigado.
Até sempre.

Comentários:
Fizeste um bom trabalho, Rui, e admiro-te pela iniciativa, pelo envolvimento. A participação activa em assuntos que a todos dizem respeito é de louvar. Fizeste o teu melhor e mereces reconhecimento.
De amigo para amigo, só um reparo, e nada mais que um reparo: tenho pena que aqui neste blogue te tenhas feito rodear por algumas (poucas) pessoas cuja seriedade, cujo bom senso, cuja postura democrática deixou muito, muito a desejar. Gostaria que este tivesse sido um blogue moderado, mas aqui e ali foi doloroso assistir a comentários mais radicais, menos sérios, menos dignos. Estou a falar de uma pequena minoria dos teus "autores permanentes convidados", a larga maioria defendeu os seus princípios com paixão e frontalidade, evitando pisar o risco do mau gosto, justiça lhes seja feita.
Mais batalhas virão, sem dúvida, espero voltar a ver-te noutras frentes. Quem sabe um dia não estejamos do mesmo lado da barricada...?
Um abraço incondicionalmente amigo!
 
Acreditar nas boas intenções dos defensores do SIM, e na vontade no trabalho de prevenção ao aborto, é uma de uma ingenuidade tão grande, como foi a dos que deram o voto ao sim, um sim moderado.
Ontem o que vimos foi a vitoria da escumalha fundamentalista, que se prepara avançar com a despenalização das dogras leves, com o casamento dos homosexuais, para com este falso estatuto possam ter acesso á adopção, com a eutanásia e muito povavelmente daqui a poucos estaremos a discutir a libeazação total do aborto.
Abriram-se as portas do curro, as leis que até agora existiam para prevenir crimes, passaram alegislar um, este é um precedente gravissimo que se abriu e não foi por acaso.
 
Sem mais comentários, queria dar-te os parabéns pelo blogue e pela sua moderação dominante. Gostei de ler aqui pela primeira vez uma série de pessoas novas, empenhadas numa luta que se sabia desde o início ser muito difícil, se não impossível. Fico a dever-te um texto, quem sabe em lutas futuras?

Um abraço,

PPM
 
Rui,
Não fomos só nós quem perdeu. Com este resultado todos perdem. Quando muito, haverá iludidos.
Felicidades,
Clara
 
Desde há quase 4 meses que me habituei a visitar diariamente este blog. Pela qualidade dos comentários e das informações disponibilizadas, os meus parabéns pelo excelente trabalho. Tenho a certeza que não foi pela qualidade dos seus defensores, ou da campanha realizada, que o "Não" perdeu.
 
Muito obrigado pelo vosso bom trabalho e pela iniciativa.
Não sei qual é a vossa decisão mas seria bom que o blogue se mantenha online para que daqui a uns anos, talvez muitos, se possa confirmar aquilo que tanto referimos: o aumento do número de abortos, a manutenção do aborto clandestino, as clinicas etc...
 
Especialmente brilhante foi ter convidado o amigo VLX. Cada post dele deu uma centenas de votos ao SIM. Garantidamente.
 
Quantas vidas teriam melhorado se em vez de escreverem neste blog e noutros, do Sim e do Não, as pessoas fossem para o terreno trabalhar com gente real e não com preconceitos? Porque do lado do Sim e do Não poucos foram os que se importaram em informar, sendo mais importante recrutar votos. E a vós (todos os movimentos organizados em recrutar apoiantes)vos culpo pela abstenção. Não será todo o "fundamentalismo" característica diagnosticante da "escumalha"? A luta fundamental tem que ser sempre na prática e nunca apenas na teoria. É o que falta à sociedade hoje em dia. Falam, falam, escrevem, escrevem, mas nunca os vejo a fazer nada...
 
Mais do que as pessoas que aqui puseram posts, a maior parte moderadas e com bons argumentos, penso que o verdadeiro tiro no pé deste blogue foi a sua caixa de comentários. Impressionante o fanatismo que por aqui se viu. Assustador mesmo. Uma lição.
 
Meu Caro Rui Castro,

Bem haja pelo seu convite, a sua militância e dedicação, extensível a todos os colaboradores deste Blog.
Nunca esquecerei o dia em que, apenas com a "companhia" da Dra. Matilde Sousa Franco na bancada do PS, me ergui contra este referendo.

Conitunarei a lutar na Assembleia da República, quiçá sozinho, pela defesa da vida!

Até sempre,

Pedro Quartin Graça
 
Olá Rui, Gi,
Obrigada pelo vosso exemplo e empenhamento.
Um abraço
Isabel
 
Eu votei SIM, mas sempre fui uma leitora diária do vosso Blog.

Gostava de dizer ao Rui que, embora não concorde com a sua opinião e, muitas vezes tenha discordado da sua argumentação - demagógica -, sempre me pareceu o comentador com mais qualidade aqui do sítio (outros passaram quase sem ser notados, houve os que só deram tiros no pé e no Não e também existiram aqueles que pareciam que andavam aqui aos papéis a quererem parecer inteligêntes... PARECER!).

Eu sei que andam por aqui a chamar-nos terroristas e a ameaçar com pares de estalos e que o verniz estalou e mostrou muito ódio, mas, mesmo assim, gostaria de o felicitar - a si - pela qualidade dos posts.

Para os outros (uns em geral, outros em particular...) já esqueci... Que eu só recordo o que é importante!
 
Portugal é que tem que vos agradecer o excelente trabalho que fizeram! Parabéns por isso!
 
QUE TODOS OS AUTORES DO BLOG TENHAM FILHOS QUE TENHAM FILHOS AOS 12 ANOS!! :D

losers.
 
Vocês estiveram muito bem e foram muito importantes. Agradeço-vos o esforço quando eu reverti para a minha faceta egoísta e aprendi a deixar de me preocupar e amar a bomba. Agora, porque é que vocês vão parar? Porque é que o blog do não não passa a ser um watchdog da política prática do aborto? Há razões para isso. Em 2005, houve 44 mulheres em Inglaterra que fizeram o seu... oitavo aborto. Metade das mulheres que aborta está em relações de longa duração. A maioria porque se esqueceu de tomar a pílula. O Engenheiro Sócrates quer usar as melhores práticas europeias. A nossa tarefa devia ser demonstrar-lhe que não o pode nem deve fazer. Fiquem.
 
Parabéns pela iniciativa e pelas intervenções quase sempre excelentes e equilibradas que este espaço trouxe à campanha.

Quem o leu atentamente votou mais informado e, provavelmente, plenamente consciente dos inconvenientes da escolha que Portugal fez.
 
Caro Rui Castro

Obrigado pela luta pela vida.
Não termina aqui, porque a vida merece sempre a nossa luta.

Abraço do
Joaquim
 
Por mim aceito os desafios de ter filhos e ser preso por abortar.
Já vou em 5 esse é o melhor contributo que posso dar à sociedade.
Enquanto os fracos votam leis de aniquilamento e, abortando, se reduzem, os fortes e convictos continuarão a multiplicar-se e ganharão a guerra pela vida!

Excelente trabalho. VIVA A VIDA!
 
Parabéns pelo vosso trabalho,gigantesco,e podem estar cientes que VALEU,MESMO,A PENA.Obrigada!
 
Tu semeaste, não te preocupes com a colheita.
Se tudo o que fizeste, mudou um só que seja, acredita que já terá valido a pena.
Ânimo!
to.pi
 
Nao queria cair em cliché, no entanto vou recorrer as palavras, OBRIGADA, PARABENS,i VALEU A PENA... Eu votei nao, de consciencia, lamento a escolha dos portugueses. No entanto nao vou mudar a minha opiniao nem convicção, se me chamarem "burra", "conservadora" ate mesmo "idiota" nao ficarei ofendida, porque tou certa que votei bem. Vou esperar que os portugueses em geral, nao sejam irresponsaveis a partir de agora, e que saibam usar a lei que vai entrar em vigor adquadamente.
EXCELENTE trabalho, Rui Castro :D

cumprimentos Andreia Pinto
 
Inté
 
SIMPLESMENTE OBRIGADO POR TUDO RUI. COMO DISSE SÁ CARNEIRO UM DIA HOJE SOMOS MUITOS A DEFENDER ESTA CAUSA AMANHA SEREMOS MILHOES. ABRAÇOS A TODOS OS LEITORES DESTE BLOG.
 
O primeiro comentário deste post (de lmc?)lamenta a presença de pessoas com postura "pouco democrática" no período que decorreu.
Ele, fervoroso adepto do aborto, deveria antes começar por se criticar a si próprio e aos blogs da sua banda já que nenhum teve um comportamento que se aproximasse da decência.
Agora, ele e os da sua laia, ufanam-se de ter ganho. Se não fosse triste dava para rir.
 
Pela vida… lutar sempre… vencer se possível… desistir nunca!

Votei “não”... Quero que fique bem registado porque não me envergonha. E disse não porque respeito todas as vidas e não acredito minimamente na bondade nem no sucesso desta “futura” lei. Sinto que terei razão…quem me dera estar errado… só a história o dirá!
Preferia viver numa sociedade que se baseasse no total e inviolável respeito pela vida humana… parece que isso não será possível! Respeito totalmente opiniões diferentes tanto mais que até são a maioria!

Fiquem...
 
God Bless Ya......!
 
Eu fico espantado com algumas pessoas que tem o desplante de vir a público dizer que as pessoas que de direito escolheram votar noutra opção que não a sua são escumalha fundamentalista.E depois ainda por cima vem com um discurso xenófobo e homofóbico dizer que se for permitido os casais de homossexuais se casarem isso seria muito mau, bem...tal como já tinha dito o ultraconservadorismo,mesquinhez,intolerancia e ignorancia revelam-se totalmente neste discurso. Não tenho mais nada a acrescentar depois disto acho que é bastante óbvio.
 
Caro Rui Castro, ao longo destes meses participei no vosso blog com alguns comentários contrariando alguns dos argumentos aqui apresentados.
Admiro-vos o esforço, mas continuo a considerar que a vossa tese era insustentável e por isso o SIM ganhou o referendo.
existiu uma força de razão em contraponto com uma tese de vida que se desviava da questão essencial a referendar. venceu a força da razão.
Convido-o a conhecer a minha opinião mais pormenorizadamente no artigo "a força da razão" que escrevi no meu blog.
Muitas das propostas que apresentaram eram válidas como combate ao aborto e coincidem com lutas que já existem no terreno, seria coerente que agora se juntassem e reforçassem essas mesmas lutas.
cumprimentos.
 
Este comentário foi removido pelo autor.
 
" TUDO VALE A PENA SE A ALMA NÃO É PEQUENA "

" mesmo na noite mais triste, em tempo de servidão, há sempre alguém que resiste... HÁ SEMPRE ALGUÉM QUE DIZ NÃO " !!!!!!!!!!!!!!!

muitos parabéns pelo blog

VIVA A VIDA !!!

Nós NÃO EMPOSSAMOS A CULTURA DA MORTE E DA "SOBREVIVENCIA DOS MAIS APTOS", COMO É O CASO DOS PÁRIAS, TRATANTES E "FEDORENTOS" Q VOTARAM PELA " SOLUÇÃO FINAL " DESTE PROBLEMA

Mas enganaram-se que isto não é coisa q se " vomita " e acabou...

A luta continua, hoje mais do q nunca !
 
As tecnologias da informação (como hoje são apelidadas) vieram permitir criar espaços de debate entre pessoas que se encontram distantes e de outra forma,seria impossível debater.Parabéns ao criador do blog e aos seus colabores pela iniciativa.Fizeram muito bem em defender a sua opinião,já que,exceptuando os extremistas, contribuiram para levar à consideração de vários aspectos mais esquecidos do tema em debate.

Tenho é pena dos fervorosos,dos irados,dos extremistas,que quer do lado do sim quer do não, só permitiram mostrar que no fundo nem se interessaram pelo debate.O seu único intuito era criticar,denegrir e humilhar aqueles que não pensam como eles.Shame on them,já que quer sejam pelo sim,quer sejam pelo não,defendendo a nova vida ou lutando pela vida existente,consideram-se seres superiores quando vivem obcecados e cegos com as suas paranóias e teorias da conspiração.A essas pesoas : Vivam a realidade,óbviamente não a conhecem.Se o mundo fosse realmente assim,já cá não estávamos.

E especialmente ao autor do blog: não concordando com certas posições suas,concordandos com as outras,encorajo-o a continuar a sacrificar alguma da sua vida pessoal a criar estes blogs temáticos(e se possível,algum que não atraia tantos extremistas e fundamentalistas ^_^).
 
e eu agradeço-te plo que fizeste. Vou ler-te pra outro lado. hasta
 
Ainda bem que, no final, ficou claro que, para ambos os lados, todos querem que sejam feitos menos abortos em Portugal. De preferência, que consigamos chegar a um dia em que ninguém sinta necessidade de abortar e todos os filhos sejam recebidos com alegria. Para já, fico contente por ter percebido que há mais tolerância no meu país. Desprezo todos os fundamentalismos, sejam do sim ou do não, e gostei de ouvir várias reacções. Tal como o sim moderado, o não moderado também ganhou.
Cara Ana Rita Bivar, aqui do curro, lhe respondo: as crianças precisam de ser recebidas com amor e ser criadas com amor, se os pais são hetero ou homossexuais, não faz a mínima diferença. Quanto às drogas leves, cada um sabe de si, se prefere as ilegais plantadas na varanda ou as legais em embalagens de Prozac ou Valium.
Não atire pedras, pode ter telhados de vidro.
 
É preciso continuar a lutar. A solução encontrada pelas mentes iluminadas que propõem esta mudança e a fizeram aprovar em referendo com a complacência de várias pessoas da área do NÃO, é a pior possível. Diminui o direito à Vida em favor de uma liberdade sem limites. Isto continua a ser verdade depois do referendo. Deixarmo-nos agora amordaçar pelo campo do SIM não é opção.

Ainda, parabéns pela moderação com que enfrentou alguns comentários menos educados do SIM.
 
Os comentários não são um tiro no pé a não ser que a visibilidade de certas opiniões que quer se queira quer não existem na sociedade incomode.
Apesar de ter votado Sim á despenalização apreciei o modo como este blog, apesar dos comentários, não ter perdido a postura nem ter feito censura, ao contrário de inúmeros exemplos dos dois lados.
No fundo a Internet é livre e sem censuras e, dando voz a todos, torna-se um meio fiável de conhecer que país temos.

Lamento imenso que o Blog tenha acabado porque a discussão não acabou e é um grave erro esqucer a questão e aceitar tudo de agora em diante...
 
Concordo inteiramente com a ideia de que os comentários são um elemento importante na discussão. Eles ajudam a perceber as razões, o que não é de somenos importância. Esconder/omitir os comentários considerados incómodos, é omitir uma parte da realidade o que não me parece de todo legítimo.
 
Caros amigos:
Há derrotas mais honrosas que certas vitórias...

Parece que não aprendemos nada com o nosso passado: mais uma vez será necessário um holocausto e uma vergonha histórica para erradicar o preconceito e conseguir ver, sem dúvida, aquilo que é auto-evidente: que o embrião/feto é uma entidade biológica distinta da mãe desde a fecundação e que não é ético dispôr dele sem motivo. É pena que muitas vidas se percam tão futilmente nesse processo...

No entanto, o Não não desaparece. Permanecemos lutando pelo que está certo (pelo menos é o que eu farei) e por uma efectiva evolução da sociedade. As instuições que o Não criou permanecem e ganharam visibilidade com este referendo. A batalha extravasa agora dos âmbitos legais para os das mentalidades, tornando-nos agora mais livres de expressar o que queremos sem estarmos presos a leis ou a realidades que a nós são imputadas.

Saúdo o esforço de todos os que escreveram e participaram neste blog e espero sinceramente que a minha intervenção nunca tenha sido prejudicial à nossa causa.

Os meus cumprimentos
Kephas
 
"Miguel Nascimento disse...
Por mim aceito os desafios de ter filhos e ser preso por abortar.
Já vou em 5 esse é o melhor contributo que posso dar à sociedade."

Já vai em 5 abortos? E votou NÃO? :P Óptimo contributo!
 
Caro Rui,
este espaço foi a referência de milhares de pessoas nas últimas semanas. Claro que seria impossível inverter os resultados que a comunicação social e os ideólogos de serviço pretendiam obter. Ainda assim, demos luta e obrigámos o PM a jogar tudo, não fosse a coisa correr mal...
Até os levámos a jurarem, a pés juntos e em côro, que iria haver um período de reflexão e uma consulta de aconselhamento obrigatórios. Hoje, dia 13, já vieram dizer que tinham mentido e que, afinal, era mesmo de aborto livre e a pedido que se tratava. Pois...
Se bem me lembro, em 1998, os argumentos para não mexer na lei e para a necessidade de um novo referendo eram, respectivamente, que o NÃO ganhara e que o resultado não fora vinculativo. Portanto, agora, pelas mesmas razões, pode-se mexer na lei, mas precisamos de outro referendo. Eu sei que eles não vão deixar, pois que da democracia só lhes interessa a parte em que ganham; e fariam tantos referendos quantos necessários para dar nisto. Mas nada impede que o exijamos.
Por isso, até daqui a oito anos.
E, de permeio, se mais lutas houver, estaremos por cá.
Um abraço,
F. do Valle
 
Rui,
antes de mais, parabéns por tudo o que fez e permitiu.
Perdemos contra uma máquina que nunca se deixaria derrotar. Isto correu exactamente como tinha sido planeado. O caminho mais fácil é o da liberalização, pelo que a nossa mensagem dificilmente passaria. Mesmo assim, somos muitos e crescemos em comparação com 98.
Portugal perdeu no dia 11. Mas, suponho (com algumas dúvidas...), ainda não perdemos Portugal.
Até sempre.
Seu, PJA
 
Ora aí está:

Aconselhamento? Não! PS, PCP e BE opõem-se.

Protecção a aborto forçado por terceiros? Não!

Acompanhamento da mulher? Não!

É um "modelo alemão" sem nada de alemão. Podemos dizer que era um modelo que os alemães, se fossem autistas, até poderia adoptar.

Contentes com o resultado votantes do sim?
 
Rui
Não acabe com este blogue. Acho que não estou a falar apenas por mim. Apenas dois dias depois do referendo, o Sim das "barrigas emancipadas" já está a mostrar as unhas. Transforme este blogue num observatório do Sim. Faz todo o sentido e é mesmo necessário. Ao menos, equacione essa possibilidade.
 
Concordo plenamente com a mca!!

Só passaram dois dias e já desmentiram tudo o que disseram.. enfim... o nosso país no seu melhor!
 
Também concordo!
 
concordo com a mca...este log podia continuar como blog da defesa da vida e sobretudo como desmascarador das mentiras práticas que agora aí virão por parte do "sim", que afinal nunca me enganaram...por isso votei NAO.
 
prémio "calhau com olhos" vai para.......:

ex-aequo:

joão gonçalves

e

vlx!

parabéns.



prémio "o meu neurónio deu o tilt" para......:

mafalda!

parabéns!


prémio "badaró - humor muar" para....:


jorge lima!

parabéns!
 
Ite missa est...
 
Concordo plenamente com a continuação deste blog.È imperativo que se apontem as falácias e a falta de empenho de todos,caso contrário a despenalização não terá os efeitos desejados.
 
"Para isso, o Estado terá de abrir os cordões à bolsa, ajudando quem mais necessita, de forma a reduzir as razões que poderão levar uma mulher a abortar."

Excelente, Rui! Agora espero que não venham os gajos da Direita reclamar contra os subsídios e os rendimentos mínimos, etc.
 





blogue do não