OBRIGADO, MARADONA

"Segundo o café aqui da zona, uma conhecida mulher desta terra à vista de Lisboa já foi a outra conhecida senhora, mas de uma terra ao lado sem vista para Lisboa, por sete vezes, segundo contam, a 320 euros a visita, o que é um achado. As pessoas do Não acham que há mais hipóteses de esta mulher parar de fazer abortos mantendo o centro de saúde e o hospital no desconhecimento desta situção. Compreendo."
Não, não maradona, as pessoas do Não acham é que não serão as clínicas espanholas que aconselharão a sua vizinha a parar com os abortos. Mais depressa lhe facultam um cartão de cliente frequente com preços reduzidos. Se não sabe, eu explico. Actualmente nem 1000 abortos legais são realizados nos hospitais públicos. Quer isto dizer, que a grande maioria dos abortos clandestinos, que passarão a ser legais, serão realizados nas tais clínicas espanholas. Compreende agora?

Comentários:
Realmente ninguém usa o aborto como método contraceptivo... Há é gente com muito azar.

Nem ninguém o faz de ânimo leve... todos os anos.
 
"Actualmente nem 1000 abortos legais são realizados nos hospitais públicos. Quer isto dizer, que a grande maioria dos abortos clandestinos, que passarão a ser legais, serão realizados nas tais clínicas espanholas. Compreende agora?"

O que significa que o slogan "Com os nossos impostos não" tem muito pouca razão de ser. Compreende agora?
 
As pessoas do NÃO, pelo meno eu, acham que essa pessoa que faz SETE(????) abortos deve ser punida... e não é com uma medida social qualquer proveniente da suspensão do processo, é mesmo com a PRISÃO porque de certeza que o sétimo (para não falar do 3º 4º 5º etc..)já foi feito de ânimo leve....
 
Ó filipe castro, será que ao fim de tanto tempo de discussão ainda não percebeu que seja no SNS seja nas clínicas privadas, quem pagará o aborto é também você, com os seus impostos?
 
NÃO se deixe enganar, no dia 11 de Fevereiro o que vai estar em causa não é a despenalização do aborto até às 10 semanas, o que vamos estar a votar é na liberalização do aborto, a pedido da mulher, sem que seja preciso invocar qualquer motivo para o fazer.

NÃO se deixe enganar, a pergunta do referendo está redigida de uma maneira tal que, ao respondemos sim estamos a atribuir à mulher o direito absoluto de dispor sobre outra vida até às 10 semanas de gestação.

NÃO se deixe enganar, quando dizem que com o voto sim apenas se está a evitar que as mulheres sejam julgadas e punidas com uma pena de prisão, é muito mais do que isso, aliás não é isso, as mulheres vão simplesmente tornar-se titulares de um direito subsidiado pelo Estado.

NÃO se deixe enganar, o aborto clandestino é, sem sombra de dúvidas, uma realidade que é urgente combater, mas a liberalização de uma situação como forma de prevenção nunca foi solução!

NÃO se deixe enganar, o aborto a pedido é tornar uma conduta, que em certos casos pode ser irresponsável, num direito.

NÃO se deixe enganar, e vote Não no próximo dia 11!

in, http://www.assimnao.org/
 
"...ainda não percebeu que seja no SNS seja nas clínicas privadas, quem pagará o aborto é também você, com os seus impostos?"

Ainda não percebi. E parece que nao sou o único.

Mas, também lhe digo que são os meus (e os seus) impostos que pagam e pagarão:
-as complicações de saúde do aborto clandestino;
- as custas judiciais dos processos de aborto;
- a polícia para fazer as respectivas investigações.

E não é mais porque temos uma lei que é aplicada "a brincar"- é crime mas pode-se fazer!! Se fosse a sério até a fronteira de elvas teriamos que vigiar.
 
Coitada da Senhora...

Só teve 7 azares seguidos!!! Teve de tirar 7 Coisas que lhe deram de cada vez que se marimbou para a contracepção e ainda a querem penalizar???

Eu quero! Pois é inacreditável que se matem seres humanos só porque sim!!!
 
"O que significa que o slogan "Com os nossos impostos não" tem muito pouca razão de ser. Compreende agora? "
Cari Filipe,
Deve haver algum equívoco. O Ministro da Saúde já afirmou que os abortos nas clínicas privadas serão pagos pelo Estado. Daí o slogan fazer todo o sentido.
 
Parece que o problema é só os abortos passarem a ser feitos em clínicas espanholas. Não me tinha apercebido da simplicidade da questão. Se é só isso, legalizam-se já as clínicas portuguesas e fica tudo em paz.
 
Nas clínicas espanholas são eles feitos agora, por quem pode. Se o Sim ganhar podem e devem passar a ser feitos nos hospitais públicos, pelo menos para aqueles cuja alternativa é o famoso "vão de escada".

Aliás, não percebo o seu raciocínio, Rui. Actualmente não se realizam em hospitais precisamente porque com a actual lei são ilegais. Uma vez legais, porque acha que não é lá que serão feitos?
 
Fuckitall,
O Rui Castro falou em abortos legais, aqueles que HOJE são permitidos. E desses, nem 1000 são feitos no SNS. Precisamente porque o SNS não comporta esse servicinho do aborto. Nem dos actualmente legais, quanto mais dos que transitam do vão de escada. E, como tal, passam para o privado, mas sempre a custas do Estado, como o Min Saúde já disse. Daí ao pagamento com os nossos impostos é só um saltinho de raciocínio, que qualquer um consegue dar...se quiser.
 
Caro(a) abcd,

"Daí ao pagamento com os nossos impostos é só um saltinho de raciocínio, que qualquer um consegue dar...se quiser.". Não vale a pena dizê-lo à Fuckitall - ela não consegue, de todo. Deve ser uma malformação congénita... Ver http://bloguedonao.blogspot.com/2007/01/um-lapso.html
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Alguma questão de princípio contra clínicas espanholas? Nacionalismo? Xenofobia? Ou mera bacouquice?

A gasolina que pões no carro é espanhola. O detergente com que lavas a roupa é espanhol. O banco onde depositas o dinheiro é detido por espanhois. Etc. etc. etc.... So what????
 
Credo anónimo das 15:41,

Sabe por caso do que falamos aqui no BdN???

Faça lá um esforço por fazer uns comentários mais inteligentes pelo menos
 
Esta é, precisamente, a situação que eu acho que justifica a manutenção da penalização prevista na actual lei - as mulheres que utilizam o aborto regularmente, como contraceptivo. Curiosamente, uma situação que o "Sim" sempre nega acontecer, pelo elevado trauma que o aborto representa para TODAS as mulheres. Bem, pelos vistos nem todas...
 
Oh, Rui Castro, que infantilidade! E que mente perversa! Então a mulher que tem acesso à contracepção vai continuar a fazer abortos porquê?! PORQUÊ?!
Por favor responda-me.
 
CAra Rita,

BAsta pegar em posts mais antigos e ficará verdadeiramente surpreendida pois verá que existem efectivamente mulheres que afirmaram ter feito vários abortos e não terem dúvidas que fariam outro se voltassem a ficar grávidas.
 
Tendo acesso a um centro de saúde e ao hospital (que é onde irá; não irá directamente às clínicas privadas, mais caras) será informada sobre métodos contraceptivos. Quanta preversidade vai escondida na moralidade?
 
Mas marginalizada por uma lei que a ameaça de prisão, nunca o Estado terá mão nestes comportamentos (como sabemos que agora não tem), e o negócio clandestino continuará a florescer.
 
"A gasolina que pões no carro é espanhola. O detergente com que lavas a roupa é espanhol. O banco onde depositas o dinheiro é detido por espanhois. Etc. etc. etc.... So what???? "
Fala por ti.
 
Mas.... isso por nacionalismo? Xenofobia? Anti-europeísmo? Não sabia que este blogue era patrocinado pelo PNR.

Mas, já agora Rui... o que é que isso tem a ver com o aborto?
 
Sim, de facto é muito relevante saber se as IVG's vão ser feitas em clínicas portuguesas ou espanholas. Importantíssimo! Eu diria mesmo que aí reside o núcleo da questão que vai a referendo no domingo.

Obrigado Rui Castro por mais este útil contributo para a campanha.
 
Se querem boas clínicas espanholas vão à Galiza. É muito mais barato e o marisco é uma delícia.
Quem quiser matar os filhos ao menos que tire prazar terreno nisso.
 





blogue do não