Para as mulheres socialistas o aborto é um direito

A líder das Mulheres Socialistas Europeias, Zita Gurmai, escreveu à maior parte dos 51 eurodeputados que assinaram a declaração contra a liberalização do aborto em Portugal perguntando-lhes se "estão a propor, nos seus próprios países, a limitação do direito das mulheres a fazer um aborto".
Ficámos esclarecidos.

Notícia LUSA
7-02-2007
10:47:00 GMT

Comentários:
Claro, os embriões crescem dentro de quê, de vasos???
 
É um direito mas nacionalizado: para ser exercido tem que ser aprovado em soviete. Disse um senhor de cabelo e bigode brancos, muito exaltado.
 
Vejam...

http://www.azores.gov.pt/GaCS/Noticias/2007/Fevereiro/Presidente+do+Governo+vota+SIM+e+apela+=E0+participa=E7=E3o+no+referendo+de+domingo.htm

Isto não é crime?
 
Os embriões bebés crescem nas couves e chegam nas cegonhas. Nunca viram o Dumbo???
Também não ouviram a dra Manuela Ferreira Leite??!! afinal é o destino que manda em nós. E eu a pensar que se podia evitar acidentes agindo com precaução, responsabilidade civíca e consciência, mas parece que não. A dra lá saberá.
 
Mafalda,

O título é enganador. Há muitas mulheres socialistas para quem o aborto não é um direito e que por isso votam NÃO no próximo referendo.

1 beijinho
 
Anónimo da 3:42 PM

Se "foce" o Alberto João... CERTAMENTE!... (Já estou a imaginar o Louçã e os seus "louçaninhos" lançados numa "cruzada" contra esse grande proto-fascista!

Já agora, alguém me pode explicar (talvez o Sr. Dr. Carlos César) qual a diferença entre "Interrupção" Voluntária da Gravidez (vulgo IVG) e Aborto!"

P.S.: 1) "foce" está mal escrito! Pois está! "Acim", reduzo o risco de ser acusado por algum "Daniel Oliveira" mais exaltado, de ser mais um NÃO "proto-fascista"!...
2) Devo dizer que, pessoalmente, não "vou à bola" com o AJJ. Mas, não podia deixar de registar a diferença de tratamento!
 
Miguel,

claro que há muitas mulheres socialistas a votar Não. Mas, a verdade é que esta senhora é líder das mulheres socialistas europeias e reivindica um direito ao aborto.

Beijinho,

Mafalda
 
Pois.. bem gostariam que fosse um direito!!! Dava jeito não dava?

MAs por mim Não o será pois direito já têm em todos os momentos anteriores e não o exercem!

MCP não esqueçamos que o Partido Socialista se vinculou ao Sim.(Claro que há mulheres socialistas nomeadamente a Drª Rosário Carneiro que defendem o Não mas são uma excepção)
 
Vinha fazer uma sugestão. Que "repostassem" (existe esta palavra nova? de Re-postar) os textos que escreveram no início do blog, que eram excelentes.
Muitas pessoas só agora estão a pensar no assunto, e não têm paciência para ir ao arquivo, e os últimos posts não têm uma súmula das razões do não.
 
Claro que consideram o aborto um direito: o direito à escolha. Isso mesmo foi dito sem qualquer subterfúgio pela Fernanda Câncio, Helena Matos e várias outras. O facto de terem deixado de o dizer nos últimos tempos deveu-se ao facto de terem visto que esse argumento não era muito convincente para os eleitores.
 
Eu direi até mais: mais Palavras para quê? Claro que estamos esclarecidos!

Esta Europa inquieta-se, e de que maneira, que haja para ali uns tantos resistentes aos normativos comunitários oriundos, pensa-se, de tão altos interesses!

- Quem era esse tal de Viriato? - indagará sobressaltada, e via Lisboa, a Senhora, que possivelmente nunca tinha colocado verdadeiramente os olhos nos Cabos de S. Vicente, da Roca e de Finisterra?

-Isso existe na Geografia Europeia? - aconselhar-se-á o seu emissário junto da Comissão?

-...então mas o José não falava só em inglês e em Francês?

o interlocutor retorquiu: -desculpe, a Senhora é líder de quê? ... claro que não ponho em causa que isso também existe!... - até porque - acrescenta um outro que se afiram Iberista, dos quatro costados - "yo no creyo en las brujas, pero...".
-... que indígenas!- terá simplesmente pesado a referida "líder", ao que comentou: -E nós a pensarmos que da "antiga lusitana liberdade" apenas restariam três letras, ainda por cima imprecisas e, parecia, que em condições assépticas!
...Até domingo e bom trabalho, pela Vida!
 
em respota a Zita Gurmai, sim, é hoje ponto assente na Europa que a liberalização do aborto, nos países que a fizeram, não está a funcionar, está a funcionar mal, está banalizado e que a única coisa que se fez para acabar com o aborto clandestino foi torná-lo legal.
Já agora será bom recordar-lhe que o aborto não é, nunca foi e nunca será um direito de ninguém.
 
De facto, esse direito existe, noutros países, há mais de 20 ou 30 anos. É impressionante o nosso atraso.

Beijinho. (Um só).
 
E das mulheres socialistas pela VIDA, QUE PALAVRA NOS DÃO ESTAS ?
 
Será que as mulheres socialistas são todas putas?
 





blogue do não