TUDO NA MESMA?

O Sim voltou a insistir na ideia, já usada em 1998, de que com o Não fica tudo na mesma.
Acontece que desde 1998, em que o Não ganhou, não ficou tudo na mesma:


  • Muitas associações foram fundadas (em muitos casos por apoiantes do Não) e muitas associações ajudaram milhares de mães em situações de gravidez dramática.
  • Foram propostas, e recusadas, alternativas legais que, concorde-se ou não, permitiriam uma verdadeira despenalização, em vez da liberalização.
  • Apesar da limitada intervenção do estado, houve muito mais informação sobre planeamento familiar e prevenção.
  • Não voltaram a ser presas mulheres por aborto. Nem uma.
  • Não há registo de qualquer morte por aborto. Curioso aliás como o DN ontem teve que ir buscar um caso de complicações por aborto clandestino em 1967 e hoje a Visão nos apresenta como capa dramática um caso de 1998 (antes do anterior referendo) e menciona apenas outro caso de 2000 onde a autópsia efectuada não encontrou relação causa-efeito com o processo de aborto.
  • Claramente não ficou tudo na mesma e claramente não vai ficar tudo na mesma. O Não permite continuar a trabalhar todos os aspectos de prevenção do aborto. O Sim limita-se a deixar de considerar que o problema é um problema (porque legal e livre), libertando a consciência da sociedade da pressão que sente para tratar estas questões.

    É preciso, também por isto, votar Não.


    Comentários:
    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
     
    pk de facto, o que grande parte do sim quer não é acabar com as penas de prisão para as mulheres que terminarem a sua gravidez dessa forma, nem acabar com o aborto clandestino, mas sim liberalizar o aborto
     
    Sim, os do do sim, esses malvados, querem aborto à la carte de todos e para todos. O objectivo do sim, não é acabar/reduzir o aborto clandestino, não é acabar/reduzir com um problema sério de saúde pública, não é acabar com a hipocrisia das passeatas a badajoz.

    E claro, os do sim, também não criaram associações para promover o planeamento familiar e auxiliar mães solteiras, bla bla.

    Ah, e claro as imagens que vi na BBC sobre os julgamentos da Maia e Aveiro foram invenções. Invenções.
     
    "pk de facto, o que grande parte do sim quer não é acabar com as penas de prisão para as mulheres que terminarem a sua gravidez dessa forma, nem acabar com o aborto clandestino, mas sim liberalizar o aborto "

    E o anónimo é capaz de avançar porque razão quer o sim liberalizar?

    a)capricho?
    b)para promover a "fileira das matérias fetais"?
    c)para acabar com a fuga de dinheiro para espanha via clinicas espanholas?
    d)nenhuma das anteriores?
     
    Nenhum dos argumentos apresentados é convincente:

    Foram fundadas associações - e de que serviram? Houve 18.000 abortos por ano!
    Ah pois, se não existissem havia 18.500. Maravilha!
    Além disso ninguém as vai proibir de trabalhar.

    propostas que iriam despenalizar .- subjectivo.

    mais informação - bravo à APF!

    Não foram presas - mas levaram com processos judiciais e foram CONDENADAS!

    Maria Ester - morreu em 2000. Há-de haver mais, mas nas autópsias escreve-se o motivo imediato, não aquele que o provocou.

    Claramente há que votar SIM.
     
    NÃO se deixe enganar, no dia 11 de Fevereiro o que vai estar em causa não é a despenalização do aborto até às 10 semanas, o que vamos estar a votar é na liberalização do aborto, a pedido da mulher, sem que seja preciso invocar qualquer motivo para o fazer.

    NÃO se deixe enganar, a pergunta do referendo está redigida de uma maneira tal que, ao respondemos sim estamos a atribuir à mulher o direito absoluto de dispor sobre outra vida até às 10 semanas de gestação.

    NÃO se deixe enganar, quando dizem que com o voto sim apenas se está a evitar que as mulheres sejam julgadas e punidas com uma pena de prisão, é muito mais do que isso, aliás não é isso, as mulheres vão simplesmente tornar-se titulares de um direito subsidiado pelo Estado.

    NÃO se deixe enganar, o aborto clandestino é, sem sombra de dúvidas, uma realidade que é urgente combater, mas a liberalização de uma situação como forma de prevenção nunca foi solução!

    NÃO se deixe enganar, o aborto a pedido é tornar uma conduta, que em certos casos pode ser irresponsável, num direito.

    NÃO se deixe enganar, e vote Não no próximo dia 11!

    in, http://www.assimnao.org/
     
    Em relação ao comentário "Foram fundadas associações - e de que serviram? Houve 18.000 abortos por ano! Ah pois, se não existissem havia 18.500".

    Não há números para confirmar se são 18.000. Já vi toda a espécie de números mas são todos fictícios. Também não conseguimos confirmar qual foi o contributo das associações. Mas para as 500 crianças que vivem hoje segundo essa sua pseudo-estatistica, esse contributo de certeza que não foi indiferente.
    Mas o que este tipo de comentários deixa claro é que para os adeptos do Sim, não há outra solução senão o aborto. É irrelevante o planeamento familiar. É irrelevante ajudar a natalidade e ajudar as mães que precisam de ajuda. É irrelevante que o número de abortos vá aumentar brutalmente com a liberalização. Parece que afinal aquela conversa habitual de somos todos contra o aborto não é bem verdade.

    É pena.
     
    filipe castro, respondo lhe eu de maneira simples... os do SIM querem a liberalizaçao para ficatrem de consciencia tranquila e nao terem que se preocupar mais com os problemas das mulheres em dificuldades, acham que já fizeram o seu papel.
     
    Não se ralem, vamos ganhar isso... até as novelas estão a favor da vida. PAGINAS DA VIDA!!! Recomenda-se episódio de 07.02.07
     
    teresinha,

    também posso concluir que os do não ficam de consciência tranquila por verificarem que a actual lei não é aplicada. Como é em badajoz não pesa na consciência?
     
    "que para os adeptos do Sim, não há outra solução senão o aborto. É irrelevante o planeamento familiar. É irrelevante ajudar a natalidade e ajudar as mães que precisam de ajuda. "

    Onde é que ouviu isso? Pode-me enviar um link?
     
    Por exemplo: "Foram fundadas associações - e de que serviram?".
     





    blogue do não